sexta-feira, 21 de maio de 2010

A HISTÓRIA DO MARKETING.


Fonte de Informações.: Site WIKIPEDIA.
A HISTÓRIA DO MARKETING.
Agora que nós já entendemos o que é marketing e a que se aplica, vamos contar um pouco da história do marketing para você! Preste atenção porque é importante ter uma base histórica do que se está estudando para poder acompanhar a evolução. É preciso entender o passado para poder criar o futuro. Vamos lá!
A Pré-História
Apesar de encontrarmos suas raízes ao longo da história da humanidade, na própria gênese do comércio, o marketing é um campo de estudo absurdamente novo se comparado com
os demais campos do saber. O estudo do mercado surgiu da necessidade dos industriais de administrar a nova realidade oriunda da Revolução Industrial. Neste estágio, o marketing
ainda é inseparável da economia e da administração clássica, pois, inicialmente, sua preocupação era puramente de logística e produtividade, para a maximização dos lucros. Os
consumidores não tinham qualquer poder de barganha, e a concorrência era praticamente inexistente.
Tal realidade manteve-se inalterada até fins da Segunda Guerra Mundial, quando, então, reagindo ao crescimento da concorrência, mercadólogos começaram a teorizar sobre como atrair e lidar com seus consumidores. Surgiu então a cultura de vender a qualquer preço. P.T. Barnum foi um ícone deste período cheio de truques, que faziam da arte de vender quase um espetáculo de charlatanice, o que faz com que até hoje os profissionais do mercado sejam vistos com desconfiança. Além disso, as técnicas existentes eram demasiadamente amadoras, baseando-se mais na intuição do que na prática. Técnicas ingênuas estavam misturadas a ferramentas eficientes; lenda e fato misturavam-se e o mercado não dava muito ouvido à academia.
Década de 1950
O primeiro golpe contra esta cultura veio em 1954 pelas mãos de Peter Drucker, ao lançar seu livro A prática da administração. Não se tratava, de propriamente, um livro sobre marketing, mas sim do primeiro registro escrito que cita o marketing como uma força poderosa a ser considerada pelos administradores.
Década de 1960
O segundo golpe veio em 1960, com Theodore Levitt, professor da Harvard Business School, mais tarde intitulado o "pai do marketing". Seu artigo da revista Harvard Business Review, intitulado Miopia de marketing, revelou uma série de erros de percepções, mostrou a importância da satisfação dos clientes e transformou para sempre o mundo dos negócios. O
vender a qualquer custo deu lugar ao satisfação garantida.
Não é à toa que se assistiu logo após este período, a um renascimento das marcas como Coca-Cola, Sears, Malboro etc.
O mundo do marketing começou a borbulhar: artigos científicos foram escritos, pesquisas foram feitas, e dados estatisticamente relevantes foram traçados. Separaram-se as estratégias eficientes dos achismos e viu-se a necessidade de um estudo sério do mercado. Este conhecimento adquirido ficou espalhado, difuso, muitas vezes restrito ao mundo acadêmico. Em 1967, Philip Kotler lança a primeira edição de seu livro Administração de marketing, em que reuniu, revisores, testou e consolidou cânone do marketing.
Década de 1970
Nos anos 70 destacou-se o fato de surgirem departamentos e diretorias de marketing em todas as grandes empresas. Não se tratava mais de uma boa idéia, mas de uma necessidade de sobrevivência. É nesta época que se multiplicam os supermercados, os shopping centers e os franchises. De fato, a contribuição do marketing é tão notória no meio empresarial que passa rapidamente a ser adotada em outros setores da atividade humana. O governo, organizações civis, entidades religiosas e partidos políticos passaram a valer-se das estratégias de marketing, adaptando-as às suas realidades e necessidades.
Década de 1980
Em 1982, o livro Em busca da excelência, de Tom Peters e Bob Waterman, inaugurou a era dos gurus do marketing. Num golpe de sorte editorial produziram o livro de marketing mais
vendido de todos os tempos ao focarem completamente sua atenção para o cliente. O fenômeno dos gurus levou o marketing às massas, e, portanto, às pequenas e médias empresas e a todo tipo de profissional. Talvez por isso, e também por uma necessidade mercadológica, o marketing passou a ser uma preocupação direta da alta direção de todas as megacorporações, não estando mais restrito a uma diretoria ou departamento.
O fênomeno dos gurus, entretanto é responsável pelo posterior descuido com o rigor da investigação científica e por uma tendência a modismos. Nesta época floresceram diversos autores que logo caíram no anonimato e outros, como Al Ries por definir o conceito de Posicionamiento, Jay Conrad Levinson por conceituar o "marketing de guerrilha" e Masaaki Imai, pai do Kaizen, que ganharam reconhecimento no mundo dos negócios e reputação por suas idéias e abordagens originais.
Década de 1990
Assim como fez em muitos outros setores, o avanço tecnológico dos anos 90 teve um forte impacto no mundo do marketing. O comércio eletrônico foi uma revolução na logística, na distribuição e nas formas de pagamento. O CRM (Customer Relationship Management) e o Serviço de Atendimento ao Consumidor, entre outras inovações, tornaram possível uma gestão de relacionamento com os clientes em larga escala. E como se isso não fosse o suficiente, a Internet chegou como uma nova via de comunicação. É a época do Maximarketing de Stan Rapp, do Maketing 1 to 1 da Peppers & Rogers Group , do Aftermarketing de Terry G. Vavra e do Marketing Direto de Bob Stone, ou seja, uma época caracterizada por uma constante busca pela personalização em massa.
Outra tendência do período foi o fortalecimento do conceito de Marketing Social, no qual se tornou uma exigência de mercado haver uma preocupação com o bem-estar da sociedade. A satisfação do consumidor e a opinião pública passaram a estar diretamente ligadas à participação das organizações em causas sociais, e a responsabilidade social transformou-se numa vantagem competitiva.
Década de 2000
A virada do milênio assistiu à segmentação da TV a cabo, à popularidade da telefonia celular e à democratização dos meios de comunicação, especialmente via Internet. A World Wide Web já estava madura o suficiente e nos primeiros anos desta década surgiram uma infinidade de pesquisas e publicações sobre WebMarketing e comércio eletrônico. Mas, mais do que isso, agora o cliente não tinha apenas poder de barganha, tinha também poder de informação. Era de se esperar que isso influenciasse a maneira com a qual os consumidores interagissem com as empresas e entre si. Os primeiros reflexos disso foram o nascimento do Marketing de Permissão, de Seth Godin, a conceitualização do Marketing boca-a-boca, por George Silverman, e a explosão do Buzzmarketing e do Marketing Viral, por autores como Russell
Goldsmith
e Mark Hughes.
Historicamente as empresas conduziram suas atividades basicamente de cinco maneiras:
• Foco na produção: no início da Revolução Industrial, dado o enorme mercado potencial ainda virgem, bastava produzir para ter sucesso. O importante era produzir mais rapidamente e na maior quantidade possível.
• Foco no produto: com o aumento da concorrência, os consumidores ganharam poder de barganha e houve uma corrida pela excelência de produtos e relação custo/benefício que se estende até os dias de hoje.
• Foco no preço: quando a concorrência chegou a um ponto no qual tecnicamente todos podem oferecer a mesma qualidade, buscou-se então oferecer sempre o melhor custo/benefício e diferentes abordagens de precificação.
• Foco na venda: com o crescimento ainda maior da concorrência, a preocupação voltou-se para as técnicas de distribuição e promoção.
Estes três conceitos são de utilidade limitada nos dias de hoje, mas serviram para dar origem à quarta abordagem:
• Foco no marketing: em que se assume que a chave para o sucesso organizacional consiste em determinar as necessidades e desejos dos mercados-alvos e entregar satisfações desejadas mais eficaz e eficientemente do que os concorrentes. Começa com um mercado bem definido, foca suas necessidades e cuida de todas as atividades que os afetarão, gerando lucro pela satisfação plena dos consumidores.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário